Psiquiatra analisa transtorno que pode ter levado psicopata a praticar crime bárbaro contra a menina Iasmin

0
93
O requinte de crueldade na prática do crime e a frieza ao confessar em detalhes a forma como matou a menina Iasmin Lorena de Araújo, 12 anos, levou o pedreiro Marcondes Gomes da Silva, 45 anos, a despertar revolta popular e repugnância.
O caso, além da comoção popular, também despertou a sociedade para a cautela que deve ser redobrada em relação a figuras ocultas de convívio fácil e cordial, que podem esconder em seu instinto o desejo mórbido com tendências a ações de crueldade, pela via de transtornos mentais.
A partir desse fato, o psiquiatra Ernani Pinheiro analisa esse transtorno e realça características que cercam os psicopatas e seus conflitos.
Segundo ele, ocasionalmente surge no noticiário policial crimes de tal gravidade que chocam a todos e isso sempre sucinta que o criminoso pode ser um doente psiquiátrico, sendo que o mais comum a se cogitar é o diagnóstico de Transtorno de Personalidade Antissocial (que antigamente era conhecido como psicopata). Tais indivíduos são capazes de práticas cruéis embora jamais vistas por ele dessa forma.
Ele ressalta que esse tipo de transtorno é caracterizado pelos seguintes aspectos: indiferença e insensibilidade diante dos sentimentos alheios; atitude persistente de irresponsabilidade e desprezo por normas, regras e obrigações sociais estabelecidas; incapacidade de manter relacionamentos; baixa tolerância à frustração e baixo limiar para a deflagração de agressividade e violência; incapacidade de experimentar culpa e grande dificuldade de aprender com a experiência ou a punição que lhe é aplicada e tendência a culpar os outros.
“Quando um crime bárbaro é solucionado, algumas vezes pessoas que estão reunidas em grande quantidade se espelham em alguém mais impulsivo e tentam fazer justiça com as próprias mãos ou se insurgem contra o patrimônio do criminoso; esse movimento de imitação é uma das principais características do assim chamado Movimento de Massa. Em um momento como este os indivíduos são irracionais, instáveis e tem comportamento de manada. As decisões de um indivíduo podem ser racionais, mas as de uma massa dificilmente serão’, afirma, acrescentando que a massa toma decisões mais rapidamente que indivíduos e é auto organizada.
“Quando a massa toma uma decisão irracional, incoerente e errada isso acontece porque cada indivíduo desvalorizou suas informações e juízos pessoais e deu uma importância excessiva a opinião alheia que levou os seus membros a terem um comportamento de imitação irrefletida. Quanto maior a multidão mais desinibida e impulsivas são as pessoas”, enfatiza o psiquiatra.
Na conversa com o MOSSORÓ AGORA, o psiquiatra Ernani Pinheiro diz ainda que o psicopata é sempre cordial, geralmente bem visto pela vizinhança e colegas de trabalho mas a sua tendência natural ao crime pode levá-lo a ser descoberto e algumas vezes ocasionar tragédias que geram sofrimento e adoecimento aos familiares da vítima e grande revolta que pode culminar com linchamentos, destruição de bens materiais e ainda mais crimes estarrecedores.
A menina Iasmin foi vista pela última vez no dia 28 de março, após sair de sua residência no bairro da África, comunidade de Redinha, na Zona Norte, em Natal. O assassino, que era vizinho da vítima, ainda se somou aos moradores e a família desesperada na busca da menor.
Quando o crime foi elucidado, ele confessou o assassinato, o abuso sexual e disse que matou a menina com um cabo de aço de bicicleta por estrangulamento após ela se negar a namorar com ele.
O corpo de Iasmin foi enterrado no interior de uma construção, onde o pedreiro trabalhava. Ele foi preso e confessou o crime de forma fria, além de revelar a motivação.
Gilberto de Sousa – da Redação

Deixe uma resposta