Caminhoneiros prometem paralisação para a próxima segunda-feira

0
119
SP - PROTESTO/AUMENTO/IMPOSTOS - GERAL - Protesto dos caminhoneiros contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis e contra o aumento de pedágios na Rodovia Anhanguera, altura de Ribeirão Preto, nesta terça-feira. 01/08/2017 - Foto: FERNANDO CALZZANI/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Os aumentos seguidos nos preços do diesel levaram os caminhoneiros autônomos a programarem uma paralisação em todo o país a partir de segunda-feira, se não forem atendidas uma série de reivindicações apresentadas ao governo federal.

Os caminhoneiros querem a redução da carga tributária sobre o diesel. Reivindicam que a alíquota de PIS/Pasep e Cofins e a isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) sejam zeradas. Os impostos representam quase a metade do valor do diesel na refinaria. Segundo eles, a carga tributária menor daria fôlego ao setor, já que o diesel representa 42% do custo da atividade.
“O dia D foi nesta sexta-feira”, disse o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que reúne 700 mil caminhoneiros autônomos — não ligados às transportadores. Ele faz referência a resposta às reivindicações aguardada pela categoria até esta sexta-feira no final do dia. “A intenção não é fechar rodovias, mas os caminhoneiros não vão sair de casa, não vão carregar os caminhões.” O transporte rodoviário responde por 56% de tudo que é fabricado e consumido no país e os autônomos transportam a maior parte da carga rodoviária.
Por causa dos reajustes diários no diesel, os caminhoneiros autônomos dizem estar no limite. Nos últimos 12 meses, o diesel subiu 15,9% no posto. O aumento é resultado da nova política de preços da Petrobras, que repassa para os combustíveis a variação da cotação do petróleo no mercado internacional, para cima ou para baixo. Nos últimos meses, porém, o petróleo tem apresentado forte alta — nesta quinta-feira (17), o barril chegou a bater na casa dos 80 dólares, valor que não registrava desde novembro de 2014.
Os motivos da alta são principalmente geopolíticos, somados aos 17 meses de redução da produção dos países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). “Os fatores geopolíticos não vão arrefecer rápido, por isso, o preço não vai cair, mas pode estimular investimentos para aumento de produção em países como o Brasil”, disse Mauricio Tolmasquim, professor da Coppe/UFRJ.
A reivindicação dos caminhoneiros é apoiada pelos donos de postos de combustíveis, que dizem estar perdendo margens com os aumentos de preços. Segundo o presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda Soares, o setor vai sugerir ao governo a redução dos impostos sobre os combustíveis e também que a Petrobras faça o reajuste em intervalos maiores.
FONTE: www.caminhoes-e-carretas.com

Deixe uma resposta